Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Ao Contrário dos Outros.

Hoje fui ao colégio buscar as chaves e acertar pormenores. Fiquei a saber que as crianças aumentaram substancialmente desde a primeira listagem que o director me deu. E pelo que me foi dito, é provável que surjam mais algumas de “surpresa”.

 

Fiquei a pensar no porquê desta situação. Acorreram-me determinadas situações à mente: alguns pais não vão fazer férias por causa da situação financeira? Alguns pais estão de férias e preferem deixar os filhos na escola? Depois existem aqueles pais que têm férias repartidas e que não coincidem com este mês tendo, por isso, que deixar os filhos nalgum lado.

 

Acredito que vai ser uma experiência engraçada (excepto a parte de ter de madrugar) a muitos níveis. O colégio vai ficar sob o meu “comando” e responsabilidade. Vamos lá ver se os bad guys se portam bem!

 

Vou viver um momento único na minha vida. Nunca tal me aconteceu. Talvez à maior parte das pessoas já tenha passado por isso, mas eu não. Vou fazer o meu aniversário na escola! A ver se invento um dia giro para os miúdos e, já agora, também para mim uma vez que nesse dia também sou pequena!

 

Prémios!

Como estou em fase de mudanças, renovações e decorações, vou adicionar mais uma peças decorativas valiosas aqui ao meu cantinho.

 

Mais uma vez atribuídas por quem? Pois tá claro, pela minha amiga Bichana! Nunca se esquece de mim... Obrigadinha!!! 

 

 

 

Agora vamos lá ver a quem atribuo uns "quadrinhos" destes para decorar o blog...

 

Xana

Café e Chocolate

Thathys

Mil Sorrisos

Jorge

Lulibel

 

Quem quiser apropriar-se destas obras de arte, façam o favor. Embora não estejam aqui todos os blogues, os prémios são para todos.

 

 

Problemas de Expressão

 

Tenho vontade de escrever mas sinto-me inábil para o fazer. Penso muito, reflicto bastante e observo ainda mais…

Os temas de escrita pululam como folhas ao vento.

Contudo, sempre que junto a caneta ao papel, não gosto das palavras que se desenham na brancura da folha, não gosto da sua aliança, nem do sentido que evocam.

 

As ideias parecem ter adquirido vida própria e são elas que traçam o rumo que mais lhes apetece. Não sou eu que as conduzo mas sim elas que definem qual o caminho a percorrer. E por mais caminhos que vagueiem, o ponto de chegada é sempre o mesmo: o velho cais das emoções.

 

Não me apetece retratar o velho cais, nem tampouco pincelar a sua paisagem de tons pastéis. Jazem aí pequenos seixos da minha vida que, depois de terem saltitado à superfície da água, se deixaram afundar calmamente, em repouso.

Alguns foram arrastados, sem paradeiro, pelas correntes do rio; outros permanecem indeléveis na obscuridade do fundo do rio, suportando as correntes, aperfeiçoando a sua forma com a passagem da água.

 

Agora é tempo de apreciar e usufruir o despontar daquele belo raio de sol que, timidamente, procura o seu caminho por entre a neblina ténue e fresca. Acolhê-lo como ao nascimento de uma criança e esperar que o seu calor nos abrace e ilumine o percurso.

 

Curiosidades Alimentícias...

É engraçado como a nossa alimentação está interligada ao nosso organismo. Cada alimento tem uma implicência directa a cada uma das nossas partes do corpo.


Não é à toa que as nossas bisavós diziam que @as cenouras fazem os olhos bonitos" e, por isso, as devíamos comer.. A sabedoria popular tem sempre um fundamento e, desta vez, a ciência comprova-o.


Enviaram-me isto e eu achei super curioso, por isso, decidi colocar aqui.

 

 

Pura Coincidência?

 

 

Uma fatia de cenoura parece um olho humano. A pupila, íris e linhas raiadas são semelhantes ao olho humano... e SIM, a ciência agora mostra que a cenoura fortalece a circulação sanguínea e o funcionamento dos olhos.

Um tomate tem quatro câmaras e é vermelho. O coração é vermelho e têm quatro câmaras. Toda a investigação mostra que o tomate é de facto um puro alimento para o coração e circulação sanguínea.

 

As uvas crescem em cacho que tem a forma do coração. Cada uva assemelha-se a uma célula sanguínea e toda a investigação hoje em dia mostra que as uvas são também um alimento profundamente vitalizador para o coração e sangue.

Uma noz parece um pequeno cérebro, com hemisférios esquerdo e direito, cerebelos superiores e inferiores. Até as rugas e folhos de uma noz são semelhantes ao neo-cortex. Agora sabemos que as nozes ajudam a desenvolver mais de 3 dúzias de neurotransmissores para o funcionamento do cérebro. 

Os feijões realmente curam e ajudam a manter a função renal e sim, são exactamente idênticos aos rins humanos.

O aipo, bok choy, ruibarbo e outros são idênticos a ossos.

Estes alimentos atingem especificamente a força dos ossos. Os ossos são compostos por 23% de sódio e estes alimentos têm 23% de sódio. Se não tiver sódio suficiente na sua dieta o organismo retira sódio aos ossos, deixando-os fracos. Estes alimentos reabastecem as necessidades do esqueleto.

 Berinjelas, abacates e pêras ajudam à saúde e funcionamento do ventre e do cervix feminino – eles são parecidos com estes órgãos. Actualmente a investigação mostra que quando uma mulher come um abacate por semana, equilibra as hormonas, não acumula gordura indesejada na gravidez e previne cancros cervicais.

E que profundo é isto?... Demora exactamente 9 meses para um cultivar um abacate de flor a fruta. Existem mais de 14 000 componentes químicos fotolíticos em cada um destes alimentos (a ciência moderna apenas estudou e nomeou cerca de 141).

Figos estão cheios de sementes estão pendurados aos pares quando crescem. Os figos aumentam a mobilidade e aumentam os números do esperma masculino, assim como ajudam a ultrapassar a esterilidade masculina. 

As batatas doces são idênticas ao pâncreas e de facto equilibram o índice glicémico de diabéticos.

Azeitonas ajudam a saúde e funcionamento dos ovários.

Toranjas, laranjas e outros citrinos assemelham-se a glândulas mamárias femininas e realmente ajudam à saúde das mamas e à circulação linfática, dentro e fora das mamas. 

As cebolas parecem células do corpo. A investigação actual mostra que a cebola ajuda a limpar materiais excedentes de todas as células corporais. Até produzem lágrimas que lavam as camadas epiteliais dos olhos... 

 

 

 

Chuva de Punhais

 

 

Sinto-me apunhalada por todos os lados, como se uma chuva de punhais me tivesse atingido subitamente.

Sinto-me muito ferida, esventrada, com rasgos dilacerantes por todo o corpo.

As lâminas frias e afiadas vão cortando o meu ténue fio de vida.

Esvaio-me em sangue, torrentes imparáveis que me levam todas e quaisquer forças.

E eu choro, lágrimas de sangue brotam dos meus olhos e a voz embarga-se, calando os gritos surdos que queria dar.

E a alma? Essa já nem existe…

Foi levada pelos guardiões das trevas.

Renegociá-la vai ser difícil.

No lugar do coração, tenho um espaço vazio, frio, sem vida…

Razões? Pessoais, impessoais, da vida…

De onde menos espera, recebemos punhais como se fossem gotas de orvalho numa manhã fria de Inverno.

Um Dia Especial...

Hoje foi um dia especial. Fiz mais um ano de namoro. Completei aquele número cuja simbologia é tão fascinante. Simbolicamente é o número da vida, da renovação, da perfeição. Já adivinharam qual é?

 

E é isto mesmo que tem vindo a acontecer na minha vida: uma tentativa de renovação para atingir a perfeição do que já existe. E tentar melhorar sempre o que já se tem para se passar à etapa seguinte. Afinal a vida é feita de ciclos que se completam para suceder a outros. Faz parte da evolução da vida e do ser humano.

 

Já havia algum tempo que este dia tão especial, estava relegado para segundo plano. Umas vezes por ausência, outras por desleixo e outras ainda por situações imperativas. Mas hoje foi diferente.

 

Comemorámo-lo a três e à nossa maneira. Até tive direito a uma tratamento de pés especial. Para terminar, fomos jantar fora. Fomos experimentar um local diferente e que não conhecíamos. Não nos esticamos na bebida, comemos bebida saudável e não houve doces para ninguém… à excepção de uns chocolatinhos que tínhamos aqui em casa, pronto, admito! E uns beijinhos… bolas! Não se pode omitir nada…

 

(Agora só pra ti N.: Esperemos que estes teus beijinhos se prolonguem por muitos anos, nino adoradinho! I U)

 

Uma Tarde de Aventuras

 

Era uma vez duas gajas destravadas da pinha. Como estavam as duas de férias e não tinham nada para fazer, decidiram ir à aventura.

 

Começaram pela Arena. Rumo a esta, surgiu o primeiro obstáculo: a difícil escolha para norte ou sul. Fizeram a opção errada - claro está! – e tiveram de voltar atrás.

Chegadas à Arena, deram uma volta para ver as montras e decidiram ir apanhar um pouco de sol de seguida.

É então que surge o 2º obstáculo: para que lado é Lisboa?

 

Pilota e co-pilota exímias, fizeram-se à estrada dispostas a enfrentar os mais ferozes perigos rodoviários. Surgem-lhes alguns monstros pelo caminho: rotundas, zebras, traços contínuos e placas – muitas placas – que lhes confundiram os neurónios.

 

Graças a um senhor que foi mandado parar mais à frente, os senhores policemen não “repararam” nelas… Ah, e escusam de perguntar quais foram as transgressões, porque isso só a Deus pertence!

 

Seguiram o seu caminho guiadas por Eolo, em busca de um pedacinho de mar.

“Olha uma placa (de praia)” disse a S., “olha outra!” E … zupt! Viraram.

Ao virarem a esquina, depararam com um abismo colossal. Glup! Mulheres corajosas como são, aí foram elas estrada abaixo.

A praia era imponente, assustadora mas aconchegante. A sua areia era grossa e gostosa e a água fria e vigorosa.

 

Já na praia, foram postas à prova mais uma vez: onde e como iriam mudar para o traje de banho? Não havia alternativa, a troca teria de ser feita ali mesmo, no parque de estacionamento.

Enfiadas no carro, após termos verificado que não havia mirones, expuseram os seus fantásticos corpos (86-60-86) às belas escarpas da praia e vestiram as suas indumentárias.

Pormenores? Nem pensar! Até a praia era calada!

 

Depois de vestidas – ou despidas? – as gajas aproximaram-se das escadas que as levaria até ao areal. As escadas eram constituídas por tábuas mal pregadas que provocavam uma vertigem e um medo terrível de ir parar à água antes de tempo.

 

Ao pisarem o areal, ouviram um barulho estranho, de proveniência duvidosa. Olharam-se mutuamente com ar desconfiado. Mas afinal a culpa era do puto que vinha atrás de bicicleta e que tinha os travões frouxos.Foi risota de faltar o ar e encher os olhos de lágrimas.

 

Uma ida à praia sem provar a água, não é uma ida à praia. O pior é que o mar estava picado e era impossível entrar lá dentro. Opção: sentar à beira da água e fazer o xixizinho da praxe à espera que a água as banhasse. Ficaram com as unhas dos pés congeladas.

 

Fazia-se tarde e estava na hora das duas gajas saírem da praia. A S. só perguntava se iria conseguir subir a estrada. Claro que sim ou não estaria agora a ser escrito este post!

Vieram-se embora, aproveitando por passear por todas as terreolas ali da zona. Elas não estavam perdidas… estavam era com vontade de ir ver o Convento de Mafra! Cof! Cof!

 

Mais peripécias sucederam: uma curva feita em contramão e um atendimento de telefone com o carro da polícia ao nosso lado, só faltou mesmo dizer adeus!~

Mas no final das contas há que dizer que foi um dia de férias óptimo, repleto de aventuras. Foi ou não foi, S.?  

 

Updating Personal Details.

                                   

 
Parece que, finalmente, vou conseguir escrever qualquer coisinha. Isto estava difícil… e até nem era por falta de inspiração… era mesmo por preguicite aguda. Sabem como é: férias + calor = preguiça.
 
Vou começar pela parte boa. Pois é, consegui. Vou ficar este ano no colégio novamente. Com mais uma hora lectiva. Com muita pena minha e da minha conta bancária, é praticamente impossível haver mais horas lectivas por causa das outras actividades extras que os miúdos têm.
 
Para além de ir para lá no próximo ano lectivo, vou trabalhar para lá no mês de Agosto. Vá, riam-se, vocês todos de férias a apanhar solinho na cara e eu a workar… A verdade é que o colégio precisava de um docente para o mês de Agosto e eu “voluntariei-me”. O director sabe que eu sou destas “voluntarices”. Quer dizer, destes “lixanços” pessoais…lol!
 
Lado positivo: festejar o meu aniversário no meio dos alunos pela primeira vez na vida, receber uns trocos extra e mostrar, mais uma vez, aquilo que valho.
Fiz bem, não fiz?
 
***
 
Vamos à parte menos boa.
 
Começando pelo meu pai. No mesmo dia em que recebi a notícia de que iria ficar no colégio, nem sonhava o que me estava reservado para a noite.
Tinha acabado de jantar, e ia beber o fabuloso café que tinha tirado e que estava a adoçar quando toca o telemóvel. Hummmm… Quem seria aquela hora? Provavelmente a minha comadra. Mas não. Era o meu irmão. Atendi e oiço a voz do meu irmão muito aflito: “mana, o pai caiu e tem a cara toda em sangue. Deve ter-lhe dado alguma coisa. Já chamei o INEM e vou para o hospital com ele. Vai lá ter.”
 
Vesti-me o mais rápido possível, toda a tremelicar. Nem conseguia enfiar as tiras nas sandálias para as apertar. Acho que voei escadas abaixo, com o N. atrás de mim, para ir buscar a minha mãe. Liguei-lhe e, nervosa como ela é, deu-lhe logo as dores de barriga e desata a falar sem parar.
 
Lembrei-me de passar primeiro pela oficina dele, pois muitas vezes, em casos menos “graves”, demora eternidades. Ainda os apanhámos. Devemos ter chegado ao mesmo tempo.
O meu pai vinha do café e está um prédio com andaimes para pintar as paredes exteriores. Mas estão tão bem montados que tem um barrote de fora, óptimo para se tropeçar. E foi o que aconteceu!
 
O meu pai ficou com a cara numa lástima e partiu a cana do nariz. Do mal, o menos, mesmo assim. Pensei que se tivesse passado algo com o pace maker ou outra coisa qualquer mais grave.
Resultado: uma camada de nervos brutal em cima, uma noite no hospital e um nariz todo cosido e com uma tala. Só me faz lembrar o Hannibal Lecter não sei porquê…
Agora tem de ir a uma consulta de maxilo-facial, esperemos que não tenha de ser operado ao nariz.
 
Ontem, foi a vez da minha sogra, coitada. Já há alguns dias que ela vinha dando umas quedas, que não sabia explicar como tinham acontecido. Atribuíram-se à tensão e ficou um dia de repouso em casa. Depois ficou melhor e prosseguiu a vidinha dela. Este fim-de-semana até o veio passar a Lisboa.
O N. recebe um telefonema do irmão a dizer que a mãe estava no hospital por se suspeitar ter tido um AVC. Veio para casa medicada e com o diagnóstico de um AVC ligeiro.
 
Não há-se o meu sistema nervoso andar todo destrambelhado?!
 
***
 
A minha rua parece andar enguiçada. O meu vizinho de baixo quase que passou para o outro lado. Rebentou-lhe uma úlcera do estômago que ele nunca sonhou ter. Não era a hora dele porque foi muito grave.
 
Hoje a minha mãe disse-me que a mãe da C. está em coma. Ela só tem um rim, é diabética e problemas de coração. Parece que as coisas não estão nada animadoras. Fiquei mesmo chocada…
 
***
 
Desculpem a enormidade do post mas este foi mesmo para desabafar. Pareço aquelas velhotas a falar das doenças mas infelizmente estas têm sido as coisas que mais me têm preocupado ultimamente.
 

Pág. 1/2